sexta-feira, abril 13, 2007

Equador


Título: Equador
Autor: Miguel Sousa Tavares
Editora: Oficina do Livro


Sinopse:
"Quando, em Dezembro de 1905, Luís Bernardo é chamado por El-Rei D.Carlos a Vila Viçosa, não imaginava o que o futuro lhe reservava. Não sabia que teria de trocar a sua vida despreocupada na sociedade cosmopolita de Lisboa por uma missão tão patriótica quanto arriscada na distante ilha de S. Tomé. Não esperava que o cargo de governador e a defesa da dignidade dos trabalhadores das roças o lançassem numa rede de conflitos de interesses com a metrópole. E não contava que a descoberta do amor lhe viesse a mudar a vida. É com esta história admiravelmente bem escrita, comovente e perturbadora que Miguel Sousa Tavares inaugura a sua incursão na escrita literária. Equador foi o fruto de uma longa maturação e investigação histórica que inspirou um romance fascinante vivido num período complexo da história portuguesa, no início do século XX e últimos anos da Monarquia."

Comentário:
Apesar dos tão criticados erros históricos, que depois foram sendo suprimidos com as reedições.
Apesar do início ser intensamente descritivo.
Apesar do autor não ser uma figura muito simpática.
Gostei do livro.
Tem um desfecho inesperado e revela uma crueza perante os amores e dissabores da vida numa colónia portuguesa. Dá a conhecer o arquipelágo de São Tomé e Príncipe. Desde então, que me apetece navegar até essas paragens.

7 comentários:

Mãe Babada disse...

Gosto muito da escrita desta rapaz. Gostei do livro mas achei muito repetitivo. Ele vai intercalando narrativa com descrições e quando regressa à narrativa repete-se, um pouco para voltar a por o leitor ao corrente de história. Quem lê com alguma ligeireza apercebe-se disso.

Luísa disse...

Li-o, no avião, a caminho de São Tomé.
Fiquei apaixonada por São Tomé, pelo livro nem tanto.

inês leal, 31 anos à volta do sol disse...

eu gostei do livro. e o final é, de facto, inesperado.

Filipa disse...

Gostei muito deste livro e estava algures perdida na Ilha de São Tomé quando na realidade o meu marido foi atacado na testa por um peixinho na bonita (também, ilha!) de Barbados!

Parabéns por este blog!

Bjs
Fi

Brikebrok disse...

O livro é uma pepineira e vê-se mesmo que o autor nunca viveu em África ...
mas os lobbys da escrita fizeram com que fosse traduzido até em italiano

Tânia disse...

Tb gostei, apesar do "procurador da república", durante a monarquia... Alguns excessos, de quem quer ser realista fora do séc XIX e por isso exagerando um pouco, a meu ver... Mas gostei muito

Álvaro Holstein disse...

Equador é um belíssimo romance, apesar das páginas plagiadas de outros e apesar da figura, cada vez mais sinistra do seu autor que pare remate da tragédia não se coibiu de aprecer na série, como intimo do Rei.

Sobre os comentários: "logo se vê que não viveu em Africa" ou "erros históricos", o romance ou vive por si ou não e isso é a única coisa que interessa aos leitores, pois a minuências são apenas isso. Claro que não se fala de aberrações "de palmatória", como euros ou procuradores da República, isso é desleixo e não aceitável.

Ao contrário do que tinha escrito antes MST, escreveu um belo romance, pena não ter respeito algum pelos leitores ao plagiar tão descaradamente e sem que isso lhe tenha sido uma mais valia ao romance.