quarta-feira, abril 22, 2009

O Filho Eterno

Título: O Filho Eterno
Autor: Cristovão Tezza
Editora: Gradiva Publicações

Sinopse:
"Nada do que não foi poderia ter sido.
Esta é uma frase-chave do belo romance de Cristovão Tezza sobre o seu filho Felipe, nascido com síndrome de Down. De facto, quando olhamos para o passado, a ideia de que nada poderia ter sido diferente serve de consolo - talvez por isso a noção de destino nos seja tão cara. Mas há escolhas que fazemos diariamente, e são estas que traçam o curso da nossa vida.
Neste livro corajoso, o autor expõe as dificuldades, inúmeras, e as pequenas e saborosas vitórias de criar um filho com síndrome de Down. Do anúncio do problema à ruptura na vida do casal que este provoca e à reflexão pessoal a que obriga.
Com a precisão literária necessária ao respeito do distanciamento exigido pela forma ficcional e com o encadear de maneira clara referências pessoais e temporais díspares, Cristovão Tezza reforça, em O filho eterno, o seu lugar entre os maiores escritores brasileiros."

Comentário:
Extremamente recomendado, este livro encheu-me as medidas. Por muitos motivos.
Por ser mãe, por me comover crianças especiais mas principalmente pela sinceridade que encontrei. E isso é raro. Temos a mania de florear os nossos sentimentos, de escondê-los num baú impenetrável, com receio do que os outros vão achar.
E este escritor abriu a sua alma. Com laivos biográficos, descreve, tentando ordenar e transpor para o papel os pensamentos que o dominaram a partir do momento em que nasceu o seu primeiro filho.
Com uma franqueza não usual, admite o desejo de morte do bebé, a vergonha de sair à rua com ele, a frustração pelo desenvolvimento aquém das suas expectativas apesar dos estímulos a que é sujeito e a confirmação dolorosa de que o milagre nunca vai chegar. O Felipe não vai ser um menino como os outros. E a partir dessa aceitação, tudo se torna mais fácil e a descrição das suas proezas, das suas preferências, do seu dia-a-dia transportam-nos para uma relação filial única.
A final, percebemos que o amor pelos filhos é isso mesmo. Demora a aparecer mas quando chega, marca indelevelmente o nosso coração e eterniza-nos.
Nada do que não foi poderia ter sido.

4 comentários:

Anônimo disse...

Oi, achei o seu blog sem querer quando fazia uma pesquisa no google. Gostei muito! Afinal, sou uma viciada e apaixonada por livros!
Está de parabéns!
Bjos,
Daniela.

Maria Pereira disse...

Não conhecia mas sem duvida que vou procurar para ler. Já leste "O estranho caso do cão morto", de Mark Haddan? Se não leste acho que ias gostar

Beijocas

Madalena disse...

Gostei muito, Cristina! beijinhos

Cristina disse...

Oi, Cristina. Estava pesquisando sobre a Doris Lessing quando encontrei seu blog. Temos o mesmo nome, o mesmo signo, quase a mesma idade e um gosto em comum: a leitura. Gostaria de convidá-la para visitar nosso blog sobre literatura e ver os grifos que postamos sobre O Filho Eterno. Daqui a uns dias, acontece a Flip 2009, um evento importante de literatura numa cidade muito, muito bonita: Parati. O Cristóvão Tezza vai estar lá. Você já ouviu falar desse evento? Ah, vamos continuar essa conversa lá em casa? Faz uma visitinha, vai.

www.ogrifoemeu.wordpress.com

Você é muito bem-vinda.
Voltarei aqui sempre.
Um abraço,
Cristina.